exercício à mulher amuada

 

Vai-se meu corachón de mib:
ai, Rab, si se me tornard?
Tan mal me dóled li’l-habib;
Enfermo yed, quando sunarád?*
(Lírica dos Moçárabes, 1040)

jarcha 9

exercício à mulher amuada

amuada,
tua boca romã
narra em silêncio
a distância
dos meus lábios mudos.

amuada,
teu olhar noir,
distraído,
contrasta co’a
tua língua árabe intocada.

amuada,
metade do mundo é negra
como nossos pelos cacheados,
a outra metade é triste
com’a solidão
em nossa pele bérbere.

[dom] 8 de maio de 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.