«GAITA» por Augusto Meyer

#umpoetaumpoemapordia #086 (24/1)

POETA: AUGUSTO MEYER

Augusto Meyer, poeta e ensaísta, nasceu em Porto Alegre, RS, em 24 de janeiro de 1902 e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 10 de julho de 1970.

 POEMA: GAITA

Eu não tinha mais palavras, / vida minha, / palavras de bem-querer; / eu tinha um campo de mágoas, / vida minha, / para colher. // Eu era uma sombra longa, / vida minha, / sem cantigas de embalar; / tu passavas, tu sorrias, / vida minha, / sem me olhar. // Vida minha, tem pena, / tem pena da minha vida! / Eu bem sei que vou passando / como a tua sombra longa; / eu bem sei que vou sonhar / sem colher a tua vida, / vida minha, / sem ter mãos para acenar, / eu bem sei que vais levando / toda, toda a minha vida, / vida minha, e o meu orgulho / não tem voz para chamar.
(Coração verde, 1926)
MAIS SOBRE
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.