«A UNA NARIZ» por Francisco de Quevedo

#umpoetaumpoemapordia #319 (14/9)

POETA: FRANCISCO DE QUEVEDO

Francisco Gómez de Quevedo y Santibáñez Villegas (Madri, Espanha, 14 de Setembro de 1580 – Villanueva de los Infantes, Cidade Real, 8 de Setembro de 1645) foi um escritor do período barroco espanhol, considerado um dos maiores nomes da literatura de seu país naquele período, hoje lembrado como o Século de Ouro.

POEMA: A UNA NARIZ

Érase un hombre a una nariz pegado,
érase una nariz superlativa,
érase una nariz sayón y escriba,
érase un peje espada muy barbado.

Era un reloj de sol mal encarado,
érase una alquitara pensativa,
érase un elefante boca arriba,
era Ovidio Nasón más narizado.

Érase un espolón de una galera,
érase una pirámide de Egipto,
las doce Tribus de narices era.

Érase un naricísimo infinito,
muchísimo nariz, nariz tan fiera
que en la cara de Anás fuera delito.

TRADUÇÃO DE: CLETO DE ASSIS

A um nariz

Era um homem a um nariz colado,
um raro nariz superlativo,
era um nariz perverso e esquivo,
era um peixe espada bem barbado.

Era um relógio de sol bem tartamudo,
era um alambique pensativo,
era um elefante ambulativo
era Ovídio Naso mais narigudo.

Era um quebra-mar de uma galera,
era uma pirâmide do Egito,
as doze Tribos de narizes era.

Era um narizíssimo infinito,
muitíssimo nariz, nariz tão fera
que na cara de Anás fora delito.

+ SOBRE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Quevedo
https://cdeassis.wordpress.com/2010/03/25/licoes-de-quevedo-400-anos-depois/

5 poemas de Quevedo


https://poemas.yavendras.com/francisco-de-quevedo/

OUTROS

Lola Rodríguez de Tió, poeta porto-riquenha, abolicionista e defensora dos direitos das mulheres
Hamlin Garland, romancista, poeta, ensaísta e escritor de contos americano
Théodore Botrel, cantor, compositor, poeta e dramaturgo francês
Mart Raud, poeta e autor estoniano
Yuri Ivask, poeta e crítico russo-americano
Volodymyr Melnykov, escritor, compositor e poeta ucraniano

«ESTA TIERRA ES HERMOSA» por Manuel J. Castilla

#umpoetaumpoemapordia #288 (14/8)

POETA: MANUEL J. CASTILLA

José Manuel Castilla (Cerrillos, Província de Salta, Argentina, 14 em agosto de 1918 – Salta, 19 de julho de 1980), geralmente citado como Manuel J. Castilla, era um poeta, letrista, escritor e jornalista argentino.

POEMA: ESTA TIERRA ES HERMOSA

Esta tierra es hermosa.
Crece sobre mis ojos como una abierta claridad asombrada.
La nombro con las cosas que voy amando y que me duelen;
Montañas pensativas, lunas que se alzan sobre el chaco
Como una boca de horno de pan recién prendido,
Yuchanes de leyenda
En donde duermen indios y ríos esplendentes,
Gauchos envueltos en una gruesa cáscara de silencio
Y bejucos volcando su azulina inocencia.
Todo eso quiero.
Y hablo de contrapuntos encrespados
Y de lo que ellos para virilmente sangrientos
Cuando el vino en la muerte es un adiós morado.

Esta tierra es hermosa.
Déjenme que la alabe desbordado,
Que la vaya cavando
De canto en canto turbio
Y en semilla y semilla demorado.
Ocurre que me pasa que la pienso despacio
Y que empieza a dolerme casi como un recuerdo,
Y sin embargo, triste, la festejo.
Mato los colibríes que la elogian
Como quien apagara los pétalos del aire.
Hondeo como un niño ángeles y campanas
Y cuando así, dolido, la desnudo,
Cuando así la lastimo,
Me crece, ay, una lágrima en la que apenas si me reconozco.

Digo que me le entrego.
Digo que sin saber la voy amando,
Y digo que me vaya perdonando
Y en un perdón y en otro que le pido
Digo que alegremente voy sangrando.

+ SOBRE

https://licricardososa.wordpress.com/2011/11/06/manuel-j-castilla-poesia/
http://poeticamentecorrecto.blogspot.com/2007/03/algunos-poemas-de-manuel-castilla.html
https://es.wikipedia.org/wiki/Manuel_J._Castilla
http://amaabaria.over-blog.com/article-manuel-j-castilla-el-gozante-87858035.html

OUTROS

Letitia Elizabeth Landon, poetisa e romancista britânica
Robert Hayman, poeta e político inglês-canadense
Ernest Thayer, poeta e autor americano.

«O MAR» por Roberto Macedo

#umpoetaumpoemapordia #257 (14/7)

POETA: ROBERTO MACEDO

Roberto Eduardo da Costa Macedo (Santo Tirso, Portugal, 14 de julho de 1887 – Porto, 19 de julho de 1977) foi um juiz, escritor, publicista e poeta português.

POEMA: O MAR

Apenas fita em mim, o seu olhar
esse grande titã fero e despótico,
meu corpinho frágil e neurótico
tem toda a vida que ele vive, o Mar.

Força, poder, e o dom de adivinhar
me dá aquele singular narcótico.
E que ventura a desse amante erótico
que enleia a Terra num continuo amar!

A que heróica façanha o Mar me impele!
Venturoso de mim quando sou ele,
quando o meu peito as ondas sintetiza.

Meus ser a minha carne dolorida,
minha alma goza plenamente a Vida,
Que força colossal me hipnotiza!
30 de Outubro de 1912

+ SOBRE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Roberto_Macedo
https://robertocmacedo.blogspot.com/2014/03/o-mar.html
http://robertocmacedo.blogspot.com

OUTROS

Angelo Poliziano, poeta italiano
Gavrila Derzhavin, poeta russo
Caspar Abel, historiador, poeta e teólogo alemão
Garimella Satyanarayana, poeta e escritor indiano
Pavel Prudnikau, poeta e autor bielorrusso
Himayat Ali Shair, poeta urdu

«AMOR PLEONÁSTICO» por Guto Graça

#umpoetaumpoemapordia #227 (14/6)

POETA: GUTO GRAÇA

(Rio de Janeiro, 14 de junho de 1970) é um poeta, radialista, jornalista, publicitário e militante dos Direitos Humanos e Cidadania. É formado em Direito e Marketing, Também é autor de roteiros, livros de poesia e de trilhas sonoras para cinema.

POEMA: AMOR PLEONÁSTICO

Já te falei que gosto de
beijos beijados
que escorrem escorridos
como o visco viscoso
do suor suado
deste amor amado.

Inconstantemente,
Eu te amo pleonasticamente.

+ SOBRE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Guto_Graça
https://www.gutograca.net/poesia.htm
http://www.gutograca.net/pc30.htm

OUTROS

Manuel José Othón , poeta e escritor mexicano
René Char , poeta francês
WWE Ross , geofísico canadense e poeta
Gilbert Prouteau , poeta e diretor francês

«EL INSOMNIO DEL RIO» por José Santos Chocano

#umpoetaumpoemapordia #196 (14/5)

POETA: JOSÉ SANTOS CHOCANO

José Santos Chocano Gastañodi (Lima, 14 de maio de 1875 – Santiago do Chile, 13 de julho de 1934) foi um poeta peruano, conhecido também pelo pseudônimo de “El Cantor de América” (O Cantor da América). Em sua poesia descreve e representa seu país, onde é mais conhecido – bem como também no meio literário – apenas por Chocano.

POEMA – EL INSOMNIO DEL RIO

Um relâmpago escapa por el bosque sombrio:
tal es cómo, en la noche, urde su escalofrío
chispeante, entre un gesto de peñascos, el río…
Negro río debátese en la brusca quebrada,
con un fragor de sombras y centellas, que, a cada
paso, revienta en torno de una roca afilada.
Partido en dos, el bosque sufre la pesadilla
de una enlutada y fiera legión que lo acuchilla,
entre un afán de aceros como un teblor que brilla…
El rumor del follaje se acobarda y reposa;
y el lamento del río suena bajo la losa
sepulcral de una extática emoción religiosa.
Hay algo en que los ojos se van a las lejanas
estrellas, que platican, como buenas hermanas,
tal vez de la tristezaa de las vidas humanas…
Hay algo que obsesiona y atormenta y oprime,
y que después suspende y estimula y remime:
es un fervor que estalla bajo un terror sublime…
Fluyen del río, a veces, descompuestas visiones:
larvars, medusas, hidrias, presas de convulsiones:
cóleras y agonías y desesperaciones…
Súbito, estremecida, por detrás de la masa
trunca del bosque, emerge, de una explosion de gasa,
la Luna, sobre el carro de una nube que pasa..
Y a la luz de la LUna, traza un puente su escueto
perfil (bajo el que el río sofoca sus alertas)
cual si fuese la enorme visión del esqueleto
de un vampiro clavado con las alas abiertas…
jose_santos_chocano6.jpg
Ilustraciones de Luis Meléndez y Quelén.

TRADUÇÃO: ANTÔNIO MIRANDA

          A INSÔNIA DO RIO
Um relâmpago escapa pelo bosque sombrio:
assim é como, na noite, urde seu calafrio
faiscante, entre um gesto de penhascos, o rio…
Negro rio debate-se em brusca quebrada,
com um fragor de sombras e centelhas que, a cada
passo, rebenta arredor de uma rocha afilada.
Partido em dois, o bosque sofre o pesadelo
de uma enlutada e furiosa legião que o apunhala,
num afã de aços como um tremor que brilha…
O rumor da folhagem se acovarda e repousa;
e o lamento do rio soa sob a lousa
sepulcral de uma estática emoção religiosa.
Algo há em que os olhos vão como imãs
às estrelas, que murmuram, como boas irmãs,
talvez da tristeza das vidas cidadãs…
Algo há que obsessiona e atormenta e oprime,
e que depois suspende e estimula e redime:
é um fervor que estala sob um terror sublime…
Fluem pelo rio, às vezes, descompostas visões:
larvas, medusas, hidras, presas de convulsões:
cóleras e agonias, e alucinações…
Subitamente, estremecida, detrás da massa
truncado bosque, emerge, de uma explosão, grassa,
a Lua, sobre o carro de uma nuvem que passa…
E em pleno luar, traça uma ponte ou amuleto
perfil (sob o qual o rio sufoca suas alertas)
como se fosse a enorme visão do esqueleto
de um vampiro cravado com as asas abertas…
MAIS SOBRE:

«COMO AYER FUE SIEMPRE» por Lauren Mendinueta

#umpoetaumpoemapordia #166 (14/4)

POETISA: LAUREN MENDINUETA

Lauren Mendinueta, nasceu em Barranquilla, Colômbia, em 14 de abril de 1977. É uma poetisa, uma ensaísta e tradutora colombiana

POEMA: COMO AYER FUE SIEMPRE

Separados, pero iguales,
los días avanzan hacía la terca evidencia del calendario,
hacia la diaria justificación de sus nombres.
Como ayer fue siempre;
la luna que venía de más allá,
la oscura evidencia de tu pelo,
tu voz donde el viento,
tu voz don del viento,
la arena contra tu rostro,
el frágil signo de la palabra
que soplaras hace tanto tiempo en mis labios.
Hoy vuelves a mi suerte,
vuelves a donde nunca estoy.

poema del libro La Vocación Suspendida (Point de Lunettes, España, 2008)

+ SOBRE:

https://es.wikipedia.org/wiki/Lauren_Mendinueta
http://www.letrasdechile.cl/Joomla/index.php/poesia/684-684
http://www.colombianosune.com/destacado/Lauren-Mendinueta
http://eltriunfodearciniegas.blogspot.com.br/2011/07/lauren-mendinueta-poesia-en-si-misma.html
https://www.auroraboreal.net/literatura/poesia/1288-lauren-mendinueta

«O NAVIO NEGREIRO, TRAGÉDIA AO MAR (VI)» por Castro Alves

#umpoetaumpoemapordia #135 (14/3)

POETA CASTRO ALVES

Antônio Frederico de Castro Alves (Curralinho, 14 de março de 1847 — Salvador, 6 de julho de 1871) foi um poeta brasileiro.

Nasceu na fazenda Cabaceiras, território pertencente à vila de Nossa Senhora da Conceição do “Curralinho”, hoje cidade de Castro Alves, no estado da Bahia.

POEMA: O NAVIO NEGREIRO

O Navio Negreiro, Tragédia no Mar (VI)

Castro Alves

Existe um povo que a bandeira empresta
Pr’a cobrir tanta infâmia e cobardia!…
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!…
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira ?esta,
Que impudente na gávea tripudia?!…
Silêncio!… Musa! chora, chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto…

Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que a luz do sol encerra,
E as promessas divinas da esperança…
Tu, que da liberdade após a guerra,
Foste hasteado dos heróis na lança,
Antes te houvessem roto na batalha,
Que servires a um povo de mortalha!…

Fatalidade atroz que a mente esmaga!
Extingue nesta hora o brigue imundo
O trilho que Colombo abriu na vaga,
Como um íris no pélago profundo!…
…Mas ?infâmia de mais… Da etérea plaga
Levantai-vos, heróis do Novo Mundo…
Andrada! arranca este pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta de teus mares!

 

+ SOBRE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Castro_Alves
http://www.projetomemoria.art.br/CastroAlves/
http://www.jornaldepoesia.jor.br/calves.html
http://www.releituras.com/castroalves_menu.asp
https://www.bbm.usp.br/node/87
http://esefarad.com/?p=29756

Castro Alves – retrato falado do poeta (1998)

exercício de aproximação e distanciamento

exercício de aproximação e distanciamento

eu sempre estava lá,
só não sabia eu,
que eu quase nunca estava,
salvo em raras exceções,
quando emergia do âmago
a mais profunda das criaturas

e no mais a mais
era um corpo vazio à deriva
um espírito alheio,
um espiral, um redominho
desses dias quentes de janeiro

no mais a mais
era eu habitante,
o próprio mundo estrangeiro.

eu não estava pronto,
nunca estiverá
pra ser o porto da chegada
para ser o porto de partida.
mas quem está?

eu me ignorava ilha
era um continente deserto
um emaranhado de sinapses
uma porção de medos,
destes que todos os seres adultos
tem, por detrás dos olhos.

eu era um mapa perdido,
e não chegaríamos a lugar algum,
nos perderíamos pelo peso da noite,
dessas submersas em nevoeiro.

mas pelo acaso dos passos em falso
deu-se o fato, ela diante
de minhas ruínas.
e há certa beleza em destroços
de outra era,
artefatos desconhecidos…
feridas abertas
de povos adormecidos

eu sempre estiverá lá,
só não sabia eu,
narrar na língua dela,
as geografias da paz
e as estórias doutrora…
dos tempos de guerra.

nu, em terra neutra,
naufragava em silêncios,
escrevia no escuro,
enrodilhava-me, caracol,
nos próprios músculos ininteligíveis.

eu estava lá,
só não sabia eu,
que nunca estava
por inteiro,
parte de mim escapava
andarilho,
pedregulho
erro…

a sede que em nenhuma gota há
de encontrar cura.
[ter] 14 de fevereiro de 2017

«CÓDIGO» por Augusto de Campos

#umpoetaumpoemapordia #107 (14/2)

POETA – Augusto de Campos

Augusto Luís Browne de Campos (São Paulo, 14 de Fevereiro de 1931) é tradutor, ensaísta, crítico de literatura e música e poeta brasileiro.

POEMA – CÓDIGO

augusto_de_campos202

MAIS SOBRE
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_visual/augusto_de_campos2.html
http://www.revistas.usp.br/magma/article/view/80724/84379
https://www.ebiografia.com/augusto_de_campos/
http://www.releituras.com/adecampos_menu.asp
http://www.jornaldepoesia.jor.br/ac.html

3afe1848090b5c2acb155be18a85520a

«JAG SOVER I DIG [Estoy dormindo en ti]» por Lars Forssell

#umpoetaumpoemapordia #076 (14/1)

POETA: LARS FORSSELL

Lars Hans Carl Abraham Forssell (Estocolmo, Suécia , 14 de janeiro de 1928 – Estocolmo , 26 de julho de 2007); Ele era um poeta e escritor sueco, membro da Academia Sueca.

POEMA: JAG SOVER I DIG

Jag sover i dig
Det kan du inte veta
Nära födelsen sover jag
Och nära det förtrollande
Du vänder dig i sängenSom en havande val
Som ett plankton med stora ögon
Slumrar jag i dig
Jag älskar dig
Det får du aldrig veta
Nära döden sover jag
Och spränger mina skal
Ur En kärleksdikt, 1960

TRADUÇÃO: Homero Aridjis e Pierre Zekeli

Estoy dormindo en ti

Tú no puedes saber
que estoy dormindo en ti
cercano al nacimiento
cercano al encantamiento.

Como una ballena en cinta
te volteas en la cama,
como un plancton de grandes ojos
yo dormito en ti.

Tú nunca sabrás
que te amo,
que duermo cerca de la muerte
y sacudo mi reclusión.

MAIS SOBRE

http://www.espacioluke.com/2017/Septiembre2017/forssell.html
http://antoncastro.blogia.com/2014/072701-lars-forrsell-dos-poemas.php
Poemas de octubre de Lars Forssell
http://poesia-pintura.blogspot.com/2012/02/la-oreja-de-van-gogh-de-lars-forsell.html
https://es.wikipedia.org/wiki/Lars_Forssell

20081220 – Anders Olsson: Inträdestal vid Svenska Akademien

https://poetassigloveintiuno.blogspot.com/2013/02/lars-forssell-9279.html

OUTROS

Yukio Mishima, poeta e dramaturgo japonês
Hilario Ascasubi , poeta argentino
Picander , poeta e dramaturgo alemão
Dimitrie Bolintineanu , poeta e político romeno
Hugh Lofting , escritor e poeta inglês, criou Doctor Dolittle
John Dos Passos , romancista americano, poeta e dramaturgo
Lars Forssell , autor, poeta e compositor sueco
J. Bernlef , autor e poeta holandês.

«SOUVENIR AFFECTUEUX» por Paul Éluard

#umpoetaumpoemapordia #045 (14/12)

POETA: PAUL ÉLUARD

Paul Éluard, pseudônimo de Eugène Emile Paul Grindel (Saint-Denis, 14 de dezembro de 1895 – Charenton-le-Pont, 18 de novembro de 1952), foi um poeta francês, autor de poemas contra o nazismo que circularam clandestinamente durante a Segunda Guerra Mundial. Participou no movimento dadaísta, foi um dos pilares do surrealismo, abrindo caminho para uma ação artística mais engajada, até filiar-se ao partido comunista francês. Tornou-se mundialmente conhecido como O Poeta da Liberdade. É o mais lírico e considerado o mais bem dotado dos poetas surrealistas franceses. Wikipedia

POEMA: SOUVENIR AFFECTUEUX

Il y eut un grand rire triste
La pendule s’arrêta
Une bête fauve sauvait ses petits.

Rires opaques dans les cadres d’agonie
Autant de nudités tournant en dérision leur pâleur
Tournant en dérision
Les yeux vertueux du phare des naufrages.
De La Vie Immédiate (A Vida Imediata), 1932

TRADUÇÃO DE: JOSÉ PAULO PAES

LEMBRANÇA AFETUOSA

Houve um grande riso triste
O pêndulo parou
Um bicho do mato salvava seus filhotes.

Risos opacos em quadros de agonia
Tantas nudezes transformando em irrisão a
[ sua palidez
Transformando em irrisão
Os olhos virtuosos do farol dos náufragos.

Textos em português:
In Poemas
Seleção e tradução de José Paulo Paes
Ed. Guanabara, Rio de Janeiro, 1988

+ SOBRE

http://letraefilosofia.com.br/sobre-o-amor-a-capital-da-dor-de-paul-eluard/

Paul Éluard – poemas


http://www.algumapoesia.com.br/poesia2/poesianet128.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Paul_Éluard.

OUTROS

Lupercio Leonardo de Argensola, poeta, historiador e dramaturgo espanhol

Charles Wolfe , sacerdote e poeta irlandês

Paul Éluard , poeta e escritor francês

Gerard Reve , autor e poeta holandês-belga

Jon Elia , filósofo, poeta e estudioso paquistanês

Boudewijn Büch , autor, poeta e apresentador de televisão holandês

Salvador Díaz Mirón , poeta mexicano

«CORRADINO DI SVEVIA» por Aleardo Aleardi

#umpoetaumpoemapordia #015 (14/11)

POETA: ALEARDO ALEARDI

Aleardo Aleardi (Verona, 14 de novembro de 1812 – Verona, 17 de julho de 1878), nascido Gaetano Maria Aleardi, foi um poeta italiano que pertenceu ao então chamado Neorromantismo.

POEMA: CORRADINO DI SVEVIA

Corradino di Svevia

Un giovinetto
Pallido, e bello, con la chioma d’oro,
Con la pupilla del color del mare,
Con un viso gentil da sventurato,
Toccò la sponda dopo il lungo e mesto
Remigar de la fuga. Avea la sveva
Stella d’argento sul cimiero azzurro,
Avea l’aquila sveva in sul mantello;
E quantunque affidar non lo dovesse,
Corradino di Svevia era il suo nome.
Il nipote a’ superbi imperatori
Perseguito venia limosinando
Una sola di sonno ora quïeta.
E qui nel sonno ei fu tradito; e quivi
Per quanto affaticato occhio si posi,
Non trova mai da quella notte il sonno.
La più bella città de le marine
Vide fremendo fluttuar un velo
Funereo su la piazza: e una bipenne
Calar sul ceppo, ove posava un capo
Con la pupilla del color del mare,
Pallido, altero, e con la chioma d’oro.
E vide un guanto trasvolar dal palco
Sulla livida folla; e non fu scorto
Chi ‘l raccogliesse. Ma nel dì segnato
Che da le torri sicule tonâro
Come Arcangeli i Vespri; ei fu veduto
Allor quel guanto, quasi mano viva,
Ghermir la fune che sonò l’appello
Dei beffardi Angioíni innanzi a Dio.
Come dilegua una cadente stella,
Mutò zona lo svevo astro e disparve.
E gemendo l’avita aquila volse
Per morire al natío Reno le piume;
Ma sul Reno natío era un castello,
E sul freddo verone era una madre,
Che lagrimava nell’attesa amara:
“Nobile augello che volando vai,
Se vieni da la dolce itala terra,
Dimmi, ài veduto il figlio mio?” – “Lo vidi;
Era biondo, era bianco, era bëato,
Sotto l’arco d’un tempio era sepolto.”

+ SOBRE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Aleardo_Aleardi
https://balbruno.altervista.org/index-947.html

 

o sono chega

14.12.2013

o sono chega
e ele resiste
não vê sentido
é só um colchão velho
estirado no chão duro
o sono chega
e ele resiste
não sabe sentir
é só um coração velho
esquecido no chão duro
o sono chega
ele desiste
como um pão velho
mofa no chão duro.

os barcos

treze e quatorze acampei [fizemos o caminho pântano-lagoinha, ida e volta]. dezesseis subi o pico da coroa [fizemos o caminho matadeiro-lagoinha e pântano-lagoinha, ida e volta, respectivamente.

houve sol e chuva, choro e riso e uma infinidade de sentimentos. as fotografias ficaram lindas. haviam até barquinhos. compartilhamos emoções, amigos, família. mas engraçado, admito… sempre falta alguém né!

os barcos comprovam isto.

do artesanato intelectual

C. Wright Mills. On intellectual craftsmanship. Appendix to The Sociological Imagination. Oxford University Press, 1959.

(…)

All this involves the taking of notes. You will have to acquire the habit of taking a large volume of notes from any worth-while book you read – although, I have to say, you may get better work out of yourself when you read really bad books. The first step in translating experience, either of other people’s writing, or of your own life, into the intellectual sphere, is to give it form. Merely to name an item of experience often invites you to explain it; the mere taking of a note from a book is often a prod to reflection. At the same time, of course, the taking of a note is a great aid in comprehending what you are reading.

Your notes may turn out, as mine do, to be of two sorts: in reading certain very important books you try to grasp the structure of the writer’s argument, and take notes accordingly; but more frequently, and after a few years of independent work, rather than read entire books, you will very often read parts of many books from the point of view of some particular theme or topic in which you are interested and concerning which you have plans in your file. Therefore, you will take notes which do not fairly represent the books you read. You are using this particular idea, this particular fact, for the realisation of your own projects.

But how is this file – which so far must seem to you more like a curious sort of “literary” journal – used in intellectual production? The maintenance of such a file is intellectual production. It is a continually growing store of facts and ideas, from the most vague to the most finished. For example, the first thing I did upon deciding on a study of the elite was to make a crude outline based on a listing of the types of people that I wished to understand.

Just how and why I decided to do such a study may suggest one way in which one’s life experiences feed one’s intellectual work. I forget just when I became technically concerned with “stratification,” but I think it must have been on first reading Veblen. He had always seemed to me very loose, even vague, about his “business” and “industrial” employments, which are a kind of translation of Marx for the academic American public. At any rate, I wrote a book on labor organisations and labor leaders – a politically motivated task; then a book on the middle classes – a task primarily motivated by the desire to articulate my own experience in New York City since 1945. It was thereupon suggested by friends that I ought to round out a trilogy by writing a book on the upper classes. I think the possibility had been in my mind; I had read Balzac off and on especially during the ‘forties, and had been much taken with his selfappointed task of “covering” all the major classes and types in the society of the era he wished to make his own. I had also written a paper on “The Business Elite,” and had collected and arranged statistics about the careers of the top-most men in American politics since the Constitution. These two tasks were primarily inspired by seminar work in American history.

In doing these several articles and books and in preparing courses in stratification, there was of course a residue of ideas and facts about the upper classes. Especially in the study of social stratification is it difficult to avoid going beyond one’s immediate subject, because “the reality” of any one stratum is in large part its relations to the rest. Accordingly, I began to think of a book on the elite.

And yet that is not “really” how “the project” arose; what really happened is (1) that the idea and the plan came out of my files, for all projects with me begin and end with them, and books are simply organised releases from the continuous work that goes into them; (2) that after a while, the whole set of problems involved came to dominate me.

After making my crude outline I examined my entire file, not only those parts of it that obviously bore on my topic, but also those which seemed to have no relevance whatsoever. Imagination is often successfully invited by putting together hitherto isolated items, by finding unsuspected connections. I made new units in the file for this particular range of problems, which of course, led to new arrangements of other parts of the file.

As you re-arrange a filing system, you often find that you are, as it were, loosening your imagination. Apparently this occurs by means of your attempt to combine various ideas and notes on different topics. It is a sort of logic of combination, and “chance” sometimes plays a curiously large part in it. In a relaxed way, you try to engage your intellectual resources, as exemplified in the file, with the new themes.

In the present case, I also began to use my observations and daily experiences. I thought first of experiences I had had which bore upon elite problems, and then I went and talked with those who, I thought, might have experienced or considered the issues. As a matter of fact, I now began to alter the character of my routine so as to include in it (1) people who were among those whom I wanted to study, (2) people in close contact with them, and (3) people interested in them usually in some professional way.

I do not know the full social conditions of the best intellectual workmanship, but certainly surrounding oneself by a circle of people who will listen and talk – and at times they have to be imaginary characters – is one of themAt any rate I try to surround myself with all the relevant environment – social and intellectual – that I think might lead me into thinking well along the lines of my work. That is one meaning of my remarks above about the fusion of personal and intellectual life.

Good work in social science today is not, and usually cannot be, made up of one clearcut empirical “research.” It is, rather, composed of a good many studies which at key points anchor general statements about the shape and the trend of the subject. So the decision what are these anchor points? – cannot be made until existing materials are reworked and general hypothetical statements constructed.

Now, among “existing materials,” I found in the files three types relevant to my study of the elite: several theories having to do with the topic; materials already worked up by others as evidence for those theories; and materials already gathered and in various stages of accessible centralisation, but not yet made theoretically relevant. Only after completing a first draft of a theory with the aid of such existing materials as these can I efficiently locate my own pivotal assertions and hunches and design researches to test them – and maybe I will not have to, although of course I know I will later have to shuttle back and forth between existing materials and my own research. Any final statement must not only “cover the data” so far as the data are available and known to me, but must also in some way, positively or negatively, take into account the available theories. Sometimes this “taking into account” of an idea is easily done by a simple confrontation of the idea with overturning or supporting fact; sometimes a detailed analysis or qualification is needed. Sometimes I can arrange the available theories systematically as a range of choices, and so allow their range to organise the problem itself.1 But sometimes I allow such theories to come up only in my own arrangement, in quite various contexts. At any rate, in the book on the elite I had to take into account the work of such men as MoscaSchumpeterVeblen, Marx, Lasswell, Michel, Weber, and Pareto. (…)

emaranhado

emaranhado.
a voz insensata
narra o corte.
mas, intuindo,
a razão, fia-se
na meada destes
fios, emaranhados,
para desatar-se.

e a retina cansada
busca o horizonte…
pela noite de luzes
levo nuvens de chumbo.
Vagner Boni/14 set, 2009. [seg]


number-1

Número 1, 1948 por Jackson Pollock

alguma antropologia

  • Mintz, Sydney W. 1959b “Labor and Sugar in Puerto Rico and in Jamaica, 1800-1850”. In Comparative Studies in Society and History1(3): 273-281.
  • Mintz, Sidney W. 1960 Worker in the Cane: A Puerto Rican Life History. New Haven: Yale University Press.
  • Mintz, Sidney W. 1966 “The Caribbean as a Socio-Cultural Area”. In Cahiers d’Histoire Mondiale 9: 912-937.
  • Mintz, Sidney W. 1971 “Men, Women and Trade”. In Comparative Studies in Society and History 13(3): 247-269.
  • Mintz, Sidney W. 1973 “A Note on the Definition of Peasantries”. In Journal of Peasant Studies 1(1): 91-106.
  • Mintz, Sidney W. 1974a Caribbean Transformations. Chicago: Aldine.
  • Mintz, Sidney W. 1974b “The Rural Proletariat and the Problem of Rural Proletarian Consciousness”. In Journal of Peasant Studies1(3): 291-325.
  • Mintz, Sidney W. 1977 “The So-Called World-System: Local Initiative and Local Response”. In Dialectical Anthropology2(2):253-270.
  • Mintz, Sidney W. 1978 “Was the Plantation Slave a Proletarian?” In Review 2(1):81-98.
  • Fried, Morton H. 1969. Fabric of Chinese society; a study of the social life of a Chinese county seat. New York: Octagon Books.
  • Turner, Terence S. (1979). “Kinship, Household, and Community Scructure among the Kayapó; Maybury-Lewis, David (ed) The Gê and Bororo of Central Brazil: 179-214. Cambridge: Harvard University Press.
  • WOLF, Eric R. . Las luchas campesinas del siglo XX.. Mexico: Siglo Veintiuno, 1979.
  • WOLF, Eric R.; FELDMAN-BIANCO, Bela; RIBEIRO, Gustavo Lins . Antropologia e poder: contribuições de Eric R. Wolf ; organização e seleção Bela Feldman-Bianco e Gustavo Lins Ribeiro. Brasília: UnB; São Paulo (SP): Imprensa Oficial, UNICAMP, 2003. 376p. (Coleção Antropologia da política ) ISBN 8523007148 UnB
  • WOLF, Eric R. . Europa y la gente sin historia. Mexico, D.F.: Fondo de Cult. Economica, c1987. 600p. (Seccion de obras de historia ) ISBN 9681625994 (broch.)
  • WOLF, Eric R. . Europe and the people without history. Berkeley; Los Angeles: Univ. of California, c1982. 503p. ISBN 0520048989 (broch.)
  • WOLF, Eric R. . Sociedades camponesas. Rio de Janeiro (RJ): Zahar, 1970. 150p. (Curso de antropologia moderna )
  • WOLF, Eric R. . Sociedades camponesas. 2. ed. Rio de Janeiro (RJ): Zahar, 1976. 150p.
  • MEILLASSOUX, Claude. Antropologia da escravidão : o ventre de ferro e dinheiro. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1995. 297p ISBN 8571103127 : (broch.)
  • GODELIER, Maurice. Economia, fetichismo y religion en las sociedades primitivas.. Mexico: Siglo Veintiuno, 1978.
  • GODELIER, Maurice. Horizontes da antropologia. Lisboa: Edições 70, 1973. 379p.
  • GODELIER, Maurice. Racionalidad e irracionalidad en economia.. Mexico: Siglo Veintiuno, 1974.
  • GODELIER, Maurice. L’ideel et le materiel : pensee, economies, societes. Paris: Fayard, 1984. 348p. ISBN 2213 013365 (broch.)
  • GODELIER, Maurice. . Antropologia y economia.. Barcelona [Espanha]: Anagrama, 1974.
  • BLOCH, Maurice. . Analise marxistas y antropologia social.. Barcelona [Espanha]: Anagrama, 1977
  • BLOCH, Maurice. Ritual, history and power : selected papers in anthropology. London: The Athlone Press, 1989. 237p. (London school of economics monographs on social anthropology; 58) ISBN 0485120712 : (broch.)
  • STEWARD, Julian H. Native peoples of South America.. New York: McGraw-Hill Book, 1959.
  • SAHLINS, Marshall. Ilhas de história. Rio de Janeiro: Zahar, 1987. 218 p. (Antropologia social ) ISBN 8571101272
  • SAHLINS, Marshall David. Sociedades tribais. Rio de Janeiro: Zahar, 1970. 178p. (Curso de Antropologia Moderna )

673211

agrestes

hoje acordei como o sol.

amanhã acordarei (se dormir for) como as nuvens.
hoje, e não sei se era meu sorriso ou o olhar sorridente de todos que passaram por mim, mas sorri, assim, o dia todo.

——-

coisas: organizar a viagem, juntar elementos para investigação, debater o processo de entrevista e ler muito.

algumas anotações do dia:

.
yo
he ponido
un
punto.

todavia puedo empezar a escrivir la história, nuestra história.
(eu, pensando…)

———- e extraído de algumas passadas de olho…

“esta obra é uma homenagem aos milhares de desaparecidos, em cuja silenciosa e invisível companhia foi elaborada. há coisas irrecuperáveis. há outras que não devemos perder nunca, como a memória de nossa própria história”. [ PASCUAL, Alejandra Leonor. Terrorismo de Estado: a Argentina de 1976 a 1983. Brasília: UnB, 2004 ]

———

“un día todos los elefantes se reunirón para olvidar. todos menos uno”. (Rafael Courtoisie, citado Terrorismo de Estado: a Argentina de 1976 a 1983. Brasília: UnB, 2004 ]

——–

Urge atrofiar o medo,
enfiar as botas ou os pés nus na lama do caminho.
Urge semear nos sulcos profundos
da grande dor humana,
trabalhar dia e noite
pois os que adormeceram
terão por desjejum
um prato de espanto
e um copo de espuma
deteriorada.
Tanira Piacentini, 1972

(Citado em SILVA, Aurea Oliveira; AURAS, Marli. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Centro de Ciências da Educação.  Aprender a calar e aprender a resistir : a pedagogia do silencio em Santa Catarina.   1993. 127f Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Educação)

—————————

20190303_195052(0)Questão de pontuação
Todo mundo aceita que ao homem
cabe pontuar a própria vida:
que viva em ponto de exclamação
(dizem: tem alma dionisíaca);

viva em ponto de interrogação
(foi filosofia, ora é poesia);
viva equilibrando-se entre vírgulas
e sem pontuação (na política):

o homem só não aceita do homem
que use a só pontuação fatal:
que use, na frase que ele vive
o inevitável ponto final.
p. 146
Questão de pontuação, In Agrestes de João Cabral de Melo Neto

poema panfletário

e nesta nossa pele enrugada pelo tempo – supostamente estático.
e nesta pele enrugada pelo sol intenso incidente;
nesta pele enrugada pela terra petrificada;
pele enrugada pela poeira impregnada;
enrugada pela estrutura carcomida que acorrenta o pulso                                                                                          [latente…

mantemos, com brilho vivo, tenso, de carne exposta e quente,
o sonho-corpo, concreto e real, transmutador
destes construtores vãos nas mãos-consciência
do horizonte necessário e possível de se ser-humano.

e neste construir
– neste tempo todo dialético –
a si e ao mundo capaz e rompedor
do rosto que muda enferrujando-se..
do coração que medra acorrentando-se…

compartilhamos o ar
e ousamos erguer a face,
arrancar a pele velha,
levantar o punho livre,
realizar o corpo-sonho,
tornando evidente a latência,
a transformação viva!
e toda a impossibilidade real do tempo parar
e desta estrutura-devoradora do âmago humano
nos tornar coisa-útil, rosto-ferrugem,
coração medrado! pele-morta no corpo vivo!
Sambaqui, 14 de Abril de 2008.